“Verdade ou realidade, eis a questão”

0
515

A prefeitura de Lauro de Freitas mostra como verdade que paga um dos melhores salários da Bahia ao professor. A Asprolf mostra a realidade: um professor do antigo magistério ganha apenas R$ 545,00 (quinhentos e quarenta e cinco reais). O melhor salário da Bahia e do Brasil quem paga é o município de Madre de Deus.
A prefeitura de Lauro de Freitas mostra como verdade que, em dois anos, “investiu” 2,8 milhões em construção e reformas de escola. A Asprolf mostra a realidade: há uma política de aluguel de convênios e de anexos inóspitos. Além disso, somente este ano a prefeitura gastará quase 3 milhões em comunicação interna e externa.
A prefeitura de Lauro de Freitas mostra como verdade que valoriza o trabalhador. A Asprolf mostra a realidade: um profissional do magistério ganha equivalente ao salário mínimo, recebe um ticket de alimentação no valor de R$ 5,23 (cinco reais e vinte e três centavos), não tem formação continuada. Um funcionário de escola (porteiro, merendeira, zelador etc.) recebe um salário mínimo e mais R$ 10,00 (dez reais), trabalhava 30h/semanais, agora, após Decreto da prefeita, trabalha 40h/semanais, e a maioria sem direito de receber o ticket de alimentação. Muitos desses trabalhadores são contratados em uma função e desempenham diversas funções.
A prefeitura de Lauro de Freitas mostra como verdade que tem uma educação de qualidade. A Asprolf mostra a realidade: as escolas do município estão precárias, muitas delas são conveniadas, e anexos alugados, sem as mínimas condições de receber alunos. Escolas há com rachaduras nas paredes, nas colunas que as sustentam, escolas sem áreas para o lazer, merendas inadequadas. Escolas sem carteiras para os alunos; salas de aula sem carteiras e mesas para o professor trabalhar.
A prefeitura de Lauro de Freitas mostra como verdade que é um governo do trabalhador. A Asprolf mostra a realidade: a greve dos trabalhadores em educação tem sido combatido pelo governo da prefeita Moema Gramacho com perseguições, manipulações (colocando carro de som nas ruas, e distribuindo COMUNICADO com informações falaciosas), ameaça de corte de salários, e a impetração de ação judicial contra os profissionais da educação.
A verdade é uma coisa, a realidade, outra. Veja a explicação no texto abaixo.
Todo conhecimento coloca o problema da verdade, quando nos perguntamos se o que está sendo enunciado corresponde ou não à realidade.

Comecemos distinguindo verdade e realidade. Na linguagem cotidiana, frequentemente os dois conceitos tendem a se confundir. Se nos referimos a um colar, a um quadro, a um dente, só podemos afirmar que são reais e não verdadeiros ou falsos. Se dizemos que o colar ou o dente são falsos, devemos reconhecer que o falso colar é uma verdadeira bijuteria e o falso dente um verdadeiro dente postiço.

O falso ou o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas no juízo, e portanto no valor de verdade da afirmação. Há verdade ou não depende de como a coisa parece para o sujeito que conhece. Por isso dizemos que algo é verdadeiro quando é o que parece ser. Assim, ao beber o líquido escuro que me parecia café, descubro que o falso café é uma verdadeira cevada. A verdade ou falsidade existe apenas no juízo “este líquido é café”, no qual se estabelece o vínculo entre sujeito e objeto, típico do processo do conhecimento. (Aranha e Martins, Filosofando: introdução à Filosofia. Moderna).

7 comentários:

  1. Mais uma vez a professora Amanda Gurgel dá uma aula de educação, cidadania e esclarece muitas dúvidas da população.
    Vejam o vídeo no Youtube:

    http://www.youtube.com/watch?v=69j2x0b_-IU&feature=player_embedded

    Responder

  2. ASPROLF,
    sobre a impetração judicial,é verdade ou não? Muitas são as respostas,mas que não responde a esta dúvida. Esta informação tem crescido a tal ponto q até nossos colegas tem passado esta informação como verdadeira e já julgada ilegal. Sugiro à ASPROLF que o próximo arquivo seja o esclarecimento desta mentira ou verdade (quem sabe?).
    O que sinalizarei agora como concreto é que colegas nossos estão voltando pra sala de aula nesta segunda,por medo desta “verdade. Receio(e muito!) que esta “tempestade” de informações do governo desestruture colegas que já são temerosos a punição e isto venha a enfraquecer o movimento. Até porque se alguem fizer uma pesquisa no google sobre o movimento, há muito mais informações do governo do que as informaçoes da triste realidade da educação de lauro de Freitas, que só é bem noticiado neste blog.
    Para um colega desinformado,(existe,sim!),mesmo trabalhando em situação precária,sendo bombardeado por esse “massacre informativo” promovido pela prefeitura, com certeza, este professor poderá ser a “rachadura” do movimento.É importante combatermos esta situação,pois,sabemos que este é o efeito desejado pela prefeita:Se conseguir abalar um que seja é possível,sim,enfraquecer toda a estrutura. Isto é perigoso e uma advertência para nós que lutamos! Precisamos estar bem articulados para não sermos atingidos.
    Sábias são as orientações de GARRIDO,que o conheci no blog e outro dia na assembleia, precisamos buscar apoio de deputados e vereadores de Lauro de Freitas,o que tem sido feito mas,na minha opinião, ainda é insuficiente. Precisamos também insistir com os principais meios de comunicações,para que noticiem a situação crítica e toda reivindicação dos professores para dar maior veracidade e credibilidade aos fatos ocorridos. E assim vencermos a batalha.
    Continuo na luta e digo aos receiosos que também sinto medo,pois, faz parte da condição humana, mas para o medo coragem!
    Professora Lucyanne

    Responder

  3. A verdade que temos claramente é uma situação caótica na educação, a realidade é que a prefeitura fecha os olhos a esse fato e empurra estudantes para a sala de aula, a verdade é que há descaso da prefeitura em relação à comunidade escolar de Lauro de Freitas, a realidade é que o que importa que todos(trabalhadores e estudantes)estejam nas escolas dando ar de normalidade ao município, a verdade que todos cansam de tantas mentiras, a realidade é que fazemos parte dessa totalidade, a verdade é que ainda cansados não abriremos mão do nosso direito e lutaremos para que sejamos ouvidos e que a prefeitura reabra as negociações, a realidade é que os estudantes de Lauro de Freitas não estão tendo aulas nas escolas, mas que as aulas estão sendo ampliadas para todo o município e que os moradores da cidade ajudam os trabalhadores em educação a ministrar aulas de cidadania, de respeito e de luta.
    Unidos na luta, juntos na vitória!

    Responder

  4. Participando da luta, todos ganharemos sempre; não participando todos ganharemos também.
    A diferença é simples:QUEM PARTICIPA COLABORA COM OS LUTADORES E QUEM NÃO PARTICIPA COLABORA COM OS OPRESSORES DE SEMPRE.
    Todos unidos buscando vencer o opressor!

    Responder

  5. Se há luta, é porque há motivos,
    Se há motivos, precisamos expô-los,
    Se há exposição de motivos,
    É preciso a busca da solução dos mesmos,
    Se há a busca da solução, leva-se a sério o oponente,
    Quando persiste-se nas mentiras,
    É necessário, urgente que sejam desmascarados os mentirosos,
    A sociedade não suporta mais esse jogo de mentira que deseja apenas manter o poder e só!!!
    Perguntas que não querem se calar:
    QUANTO GANHAM?
    PREFEITA E SEUS SECRETÁRIOS
    QUANTO SE GASTA
    COM PROPAGANDAS NESSES MUNICÍPIO?
    QUAL O INVESTIMENTO QUE É FEITO EM EDUCAÇÃO?
    QUAL O INVESTIMENTO QUE É FEITO EM SAÚDE?
    QUAL O INVESTIMENTO QUE É FEITO EM SEGURANÇA?
    Com a palavra os gestores públicos…
    HOUVE AUMENTO PARA PREFEITA E SECRETÁRIOS ESSE ANO, DE QUANTO??????

    Responder

  6. A greve foi noticiada no Bahia Meio Dia,assistam: http://g1.globo.com/videos/bahia/v/greve-de-professores-deixa-30-mil-criancas-sem-aulas-em-lauro-de-freitas-ba/1516473/

    Responder

  7. Os poderosos estão tentando nos ganhar pelo cansaço. Fique atento Asporlf e mandem representantes para esses encontros, aproveite e imprimam fotos do caos nas escolas de preferência em tamanho grande.

    Esta semana, a prefeitura se reúne com pais e alunos da rede municipal para esclarecer sobre a greve e buscar, juntos, alternativas. Na quarta-feira, 19 h, na Escola Fênix, reunião com pais e alunos das escolas do centro; no sábado, às 10 horas, na Escola Edvaldo Boaventura, com pais e alunos de Areia Branca, e às 15 h, na Escola Dois de Julho, com pais e alunos de Itinga.

    Responder

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here