Berço de ouro, bacia de palha: um outro natal

0
1509
Estranhos ritos celebram um perigoso dia. Em um mundo onde as pessoas buscam posições, curiosamente festejamos o dia em que aquele que era sobre todos ousou nascer como aqueles que eram os menores de todos. Na tradição cristã, paradoxalmente, o Rei Deus não nasceu em berço de ouro, mas em uma bacia de palha.

O perigoso dia, hoje celebrado por muitos, foi esperado com “temor e tremor” pelo poderoso Herodes. Inacreditavelmente, ele temia que o nascimento de uma criança ameaçasse a sua posição. Tamanho temor gerou uma ordem para o assassinato de milhares de crianças. Só tem medo de perder sua posição de poder quem está nestes espaços, e para preservá-la, até hoje, crianças continuam tendo suas possibilidades de vida roubadas. Explico: todas as vezes que, por exemplo, gestores públicos entregam setores do governo, como a educação, para grupos políticos aliados que não tem nenhum compromisso ou projeto de educação, apenas para manter a tal governabilidade, para manter seu poder; caminhos, possibilidades, futuros e chances de milhares de crianças são roubadas, assassinadas.

Espaços de poder são perigosos e, quando não exercido comunitariamente, sem participação coletiva, geram opressão. O Natal é o símbolo maior de quando o maior poder já pensado, Deus, decidiu, em favor de todos, nascer outro. Nasceu desapoderado, criança frágil, humana. Nasceu em uma bacia de palha, numa periferia do mundo para, desse lugar, desafiar os nascidos em berços de ouro.

O nascimento do frágil e desapoderado Deus é perigoso porque empodera os pequeninos, dá esperança aos fracos, ameaça qualquer poder estabelecido e desautoriza as pretensões dos nascidos em berços de ouro.

Enquanto não retirarmos as vendas, do individualismo, do consumismo, da sede por posição e poder, o natal não será um dia perigoso para a política ou para os ricos cevados que nos empurram seus projetos de vida de plástico que se deformam e deformam os projetos e os sonhos dos menores.

O dia do Natal é a celebração da chama de Deus no mundo, luz que ilumina a realidade, fogo que aquece nossos corações com a esperança de um mundo melhor. Chama Sagrada que enche de cor e alegra nossos caminhos. Que essa subversiva chama nos dê forças em 2018 para continuarmos nossas lutas por educação pública de qualidade, que empodere os pequenos e desafie o estado de coisas que vivemos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here