INFORME URGENTE DA ASPROLF

0
374
A Prefeitura de Lauro de Freitas, de forma vergonhosa, está informando à comunidade laurofreitense, através de carro de som, que já paga o piso salarial aos profissionais em educação, e que a greve é fruto de uns poucos professores. Diante disso, solicita aos pais que mande os seus filhos para as escolas dia 16/05, segunda-feira.

Ante à repugnante atitude de um governo que se diz popular, informamos e questionamos o seguinte:

Há uma adesão de 100% do conjunto dos trabalhadores à greve. Portanto, pedimos aos pais e/ou responsáveis que NÃO enviem seus filhos para as escolas, pois lá não há aula. Embora as escolas estejam fechadas, as aulas (de cidadania) estão acontecendo na cidade, publicamente. Professores, coordenadores, gestores, auxiliares de classe e funcionários de escola estão dando aula de como priorizar a educação, de como valorizar a escola pública e de como valorizar os profissionais da educação, os alunos e, consequentemente, os pais de alunos. Um exemplo das aulas que estamos realizando foi a que aconteceu ontem, nos turnos matutino e vespertino, quando sepultamos a Educação Pública, que há anos estava ABANDONADA por esse governo. Por isso, pai, mãe, responsável venham participar com a gente das aulas públicas que estão acontecendo desde o dia 06/05, nas ruas e praças de Lauro de Freitas. Não acredite nesse governo. UM GOVERNO BOM CUIDA DA EDUCAÇÃO!

A luta dos trabalhadores(as) – A mais de 60 dias os trabalhadores vinham negociando com o Poder Executivo e tentando chegar a um acordo considerável. Mas a prefeitura, intransigente e inflexível, sequer tinha vontade política para negociar. Apenas ganhava tempo (esperando a decisão do Supremo Tribunal Federal – STF) para cumprir uma ordem, e nada mais. Só que o cumprimento dessa decisão traz perdas e achatamento aos salários dos profissionais em educação. No dia 06/05, numa reunião de negociação, a comissão do governo apresentou por meio de documento um índice que prejudica a classe trabalhadora. Além do mais, afirmou que caso a proposta não seja aceita e haja greve todos os itens negociados voltariam a estaca zero. E foi o que aconteceu.

Agora, de forma autoritária e antidemocrática, a gestão da senhora prefeita Moema Gramacho tenta impor sua decisão, e através da manipulação enfraquecer o direito de greve do conjunto dos trabalhadores em educação.

Perguntamos: “Que governo é esse (PT) que até pouco tempo inflamava a classe trabalhadora para ir às ruas e reivindicar seus direitos por meio da greve, mas agora coloca “Capitães do mato” a perseguir educadores, amedrontando-os, com o objetivo de pôr fim a um direito constitucional? Que governo é esse que no passado tinha sua chefa maior do executivo (Moema Gramacho) como líder dos movimentos sindicais e hoje ela representa a oligarquia, reprimindo sindicalistas?

A Associação dos Trabalhadores em Educação de Lauro de Freitas (ASPROLF), BA, chama a atenção de seus trabalhadores e trabalhadoras, dos pais, das mães, dos reponsáveis, dos alunos e toda sociedade civil para REPUDIAR essa prática perversa do governo municipal. E cada vez mais FORTALECER a luta, mostrando ao governo a nossa INDIGNAÇÃO pela falta de prioridade e pelo descaso com a educação.

A GREVE CONTINUA! Terça-feira, 17, às 09h, no Largo do Caranguejo, ASSEMBLEIA GERAL.

Lauro de Freitas, 14 de maio de 2011.

ASPROLF – Associação dos Trabalhadores em Educação de Lauro de Freitas, BA.

“Não abra mão dos seus direitos.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here