Irregularidades no Conselho de Alimentação Escolar de Lauro de Freitas

0
1068

A ASPROLF recebeu nesta semana denúncias de que o CAE, Conselho de Alimentação Escolar de Lauro de Freitas, vem funcionando com uma série de irregularidades.

 

O trabalho do CAE é fundamental para que crianças e adolescentes matriculados nas diversas escolas que compõem a Rede Pública de Lauro de Freitas (creches, escolas de ensino integral, escolas quilombolas, escolas de ensino infantil e de ensino fundamental) recebam alimentação de qualidade.  Não é segredo para ninguém que não há nenhuma possibilidade de aprendizado se a criança estuda de barriga vazia.

Infelizmente, as denúncias que recebemos de Conselheiros que compõem o CAE são que este não vem realizando a fiscalização dos repasses federais destinados à alimentação escolar da forma devida e exigida pelas leis que regulamentam o CAE e o PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar). Segundo os Conselheiros, as reuniões são realizadas sem ata, que são construídas posteriormente sem a presença dos Conselheiros e o Presidente declara ao FNDE, através do sistema, a presença de conselheiros que estão ausentes nas reuniões, afim de alcançar o quórum exigido para aprovação ou reprovação das contas.

A ASPROLF acredita que a existência e o bom funcionamento dos Conselhos são essenciais para o bom serviço público e para aprofundamento da democracia, pois possibilita maior participação popular na gestão pública. Assim como, acreditamos na competência e na boa fé dos conselheiros que hoje compõem o CAE. No entanto, não é incomum que grupos ligados a políticos profissionais tentem utilizar esses espaços como instrumentos de barganha política. Nesse sentido, desde já, alertamos a tais grupos que tentam manobrar tais espaços e informamos a nossa categoria que não permitiremos que nenhum Conselho ligado a educação neste município, especialmente o CAE, que cuida da alimentação daqueles que mais necessitam, funcione para cuidar de interesses de quem quer que seja em detrimento dos interesses da educação pública.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here