Reunião com as sete escolas mantém suspensão, mas confirma Consulta Pública

0
1033
Reunião do Executivo com ASPROLF e as sete escolas que tiveram suspensão da Consulta Pública

Numa sala de reuniões lotada, a ASPROLF, os representantes das chapas para diretores e vices das sete escolas que tiveram as consultas suspensas, a prefeita Moema Gramacho e o Secretário de Educação Paulo Grabriel Nacif tentaram, mais uma vez, chegar a um consenso sobre a situação da Consulta Pública.

A prefeita iniciou a reunião ouvindo as chapas. A seguir, a prefeita fez um levantamento histórico da Consulta Pública para provimento dos cargos de diretores e vices no Município, que iniciou em seu primeiro mandado e foi revogada no governo de Marcio Paiva, quando os pais, alunos, professores e funcionários deixaram de indicar os diretores e vices e os vereadores passaram a indicar. A prefeita ressaltou o seu esforço e interesse em garantir que a Comunidade escolar voltasse a indicar os gestores. A chefe do executivo municipal ainda sugeriu que dois representantes dos pais de alunos passassem a compor a Comissão Consultiva Central, ampliando para oito o número de seus membros.

Após a fala da prefeita, as escolas presentes, com uma exceção, consensuaram que deveria manter-se a suspensão do pleito até o momento oportuno para sua realização. O presidente da ASPROLF, Valdir Silva, ressaltou que o edital previa que a Comissão Consultiva Central averiguasse as denúncias recebidas e que, caso comprovadas, tomasse medidas para garantir a harmonia nos processos de disputa. No entanto, esta tomou a decisão de cancelar a Consulta, antes mesmo de averiguar os fatos, ferindo o edital. Segundo Valdir, o impasse gerado e o acirramento dos ânimos nos locais em que haveria a Consulta se deu por essa irregularidade. Após essa ressalva, Valdir seguiu o consenso formado pela maioria.

Durante a reunião, o executivo municipal, a ASPROLF e a Comunidade Escolar defenderam a Consulta Pública como modelo democrático a ser perseguido e aperfeiçoado. A ASPROLF acredita que a Consulta à comunidade escolar para indicação de gestores e vices, bem como o fortalecimento do Colegiado Escolar, grêmios e associações de pais e mestres são essenciais para a realização de um projeto de escola pública de qualidade.

Vale ressaltar que, ao contrário do que alguns defendem, a Consulta Pública é uma exigência do Plano Nacional de Educação e do Plano Municipal de Educação, ambos em sua meta 19. Também é importante ressaltar que apenas 45% dos cargos para diretores de todo o Brasil são providos por indicação (veja aqui) e que das 27 capitais brasileiras, apenas duas não contam alguma forma de Consulta Pública. A prefeita Moema Gramacho, quando decide pela democracia nas escolas, devolve Lauro de Freitas ao grupo de cidades que pensam educação com seriedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here