TRABALHADORES OCUPAM SEMED QUESTIONAM PROJETO CIDADE EDUCADORA E COBRAM MELHORIAS NA REDE

0
365

Antes em assembleia geral na AFPEB, cerca de 600 trabalhadores debateram sobre os processos administrativos, calendário escolar, problemas nas escolas, a situação dos profissionais em regime REDA, cuidadores, agentes administrativos, auxiliares de classe, apoio, etc.
Os profissionais dos diversos segmentos da educação protestaram contra o caos instalado na rede desde o início do ano letivo. Eles reclamam de falta de material nas escolas, carteiras para os alunos e assédio moral contra os servidores dentro das unidades de ensino e até na SEMED
Cerca 200 trabalhadores Municipais da educação de Lauro de Freitas (região Metropolitana de Salvador) ocuparam no final da manhã de hoje (19), a SEMED – Secretaria Municipal da Educação – para apresentar ao secretário de educação, Paulo Gabriel Nacif, o ‘sucesso’ do Projeto Cidade Educadora da SEMED e Prefeitura nas escolas da rede.

Com inúmeros problemas de funcionamento desde o início do ano letivo, as unidades de ensino deixam a desejar no que diz respeito ao tema do projeto. Os profissionais dos vários segmentos da educação (professores concursados, auxiliares de classe, cuidadores, apoio, administrativo, etc.) questionaram o secretário sobre como é possível um projeto Cidade Educadora dar certo com todos esses problemas?

É extensa a lista de queixas dentro e fora das escolas. Déficit de profissionais (professor e coordenador pedagógico), falta de carteira para os alunos e mesa para o professor, falta de caderneta escolar, de material básico como de folha de ofício, tinta pra impressora e até mesmo papel higiênico nas creches, além de desrespeito aos profissionais dentro da escola e na SEMED que denunciam assédio moral de gestores escolares e funcionários da secretaria de educação.
“Estamos aqui reivindicando qualidade no ensino público e o sentimento que eu tenho é que estão sendo feitas ações mínimas para as escolas. A gente não vê interesse da prefeita e nem do secretário de educação com o ensino, com o profissional, com as crianças, e olha que todos esses problemas são de conhecimento da gestão. É um clima adoecedor dentro das escolas,” disse uma professora indignada. Os profissionais confessaram que estão frustrados com a equipe da secretaria de educação desta gestão, que foi aguardada com bastante expectativa, e era tida como a ‘equipe da mudança’ que a pasta tanto necessitava.
Emocionada, uma professora se queixou da falta de acesso ao secretário de educação quando tem buscar auxílio na SEMED e disse que, segundo sua secretária da casa, ‘Pulo Gabriel é muito ocupado’ e não pode atender. Ela também denunciou perseguição política dentro da escola aonde trabalha.
O desrespeito não para por aí. Salário atrasado, quebra de acordo de mesa (feito pela prefeita Moema Gramacho com os profissionais cuidadores), de pagamento de vale transporte e ticket alimentação, infraestrutura comprometida (inclusive com risco de acidente grave), desrespeito ao profissional dentro da SEMED, foram algumas das muitas queixas ouvidas. 

Em resposta, o secretário Paulo Gabriel disse estar decepcionado em ter que reconhecer que todas as queixas têm fundamento e disse que vai levar as questões para a prefeita. O Coordenador Geral do ASPROLF, Valdir Silva, lembrou que o Executivo já foi oficializado quanto a essas reivindicações inúmeras vezes, e que em algumas situações, o governo não respondeu na totalidade como deveria fazer. Silva solicitou ao secretário, uma reunião urgente com a prefeita, para que ela sente com trabalhadores para dar resposta concreta às inúmeras demandas da educação. Ele destacou ainda que Moema precisa tomar uma posição sobre o que de fato ela quer pra educação do município e que passe o recurso da educação para a educação, para que essas necessidades dentro das escolas sejam supridas,” reivindicou. Na saída da secretaria a categoria deliberou que caso o Executivo não atenda às demandas dos trabalhadores, será convocada uma assembleia emergencial com indicativo de movimento paredista.
Assembleia Geral Extraordinária
Mais cedo (às 9h, na AFPEB), cerca de 600 trabalhadores estiveram reunidos em assembleia geral extraordinária, onde debateram sobre os processos administrativos, calendário escolar, problemas nas escolas, a situação dos profissionais em regime REDA, cuidadores, agentes administrativos, auxiliares de classe, apoio, etc. (todos esses assuntos levados à secretaria de educação).

No encontro, a categoria deliberou, além dessa ocupação à SEMED, a participação do ato público amanhã (20), às 15h no Campo Grande em Salvador, e a participação em massa da classe trabalhadora no desfile cívico de Emancipação da cidade no sábado (29/07).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here